11 maio 2018

[Especial Literário] Rubem Fonseca

Olá, leitores!!!


Hoje é dia do nosso Especial Literário e para o mês de maio iremos falar um pouco de Rubem Fonseca!




Rubem Fonseca nasceu em 11 de maio de 1925 e hoje completa 93 anos. Natural de Juíz de Fora, Minas Gerais, é um escritor brasileiro, considerado um dos maiores ficcionistas em atividade no país. 

Rubem estudou direito na Universidade do Brasil, hoje Universidade do Rio de Janeiro, entrou para a polícia como comissário do Distrito Policial de São Cristóvão, mas trabalhou pouco tempo nas ruas, era um policial de gabinete, cuidava dos serviços de relações públicas.

Em 1953, foi escolhido para se aperfeiçoar nos Estados Unidos, onde fez mestrado em Administração. Regressou para o Brasil em 1954. Em 1958 foi exonerado da polícia e passou a se dedicar integralmente à literatura.



Sua estreia foi com o livro de contos "Os Prisioneiros", em 1963 e a maior parte de suas obras retrata a violência das cidades.

Seu livro de contos "Feliz Ano Novo", publicado em 1975, foi recolhido pela censura um dia após o lançamento e só foi liberado em 1989, depois de longa batalha judicial.


Com suas narrativas velozes, cheias de violência, erotismo, irreverência e construídas em estilo contido, reinventou entre nós uma literatura noir, ao mesmo tempo clássica e pop, brutalista e sutil.

O autor recebeu vários prêmios, entre eles a Coruja de Ouro, o Kikito do Festival de Gramado, o Prêmio Jabuti e o Prêmio Camões.


"Escrever é tomar decisões constantemente."




Obras:

Os Prisioneiros, contos, 1963
A Coleira do Cão, contos, 1965
Lúcia McCartner, contos, 1667
O Caso Morel, romance, 1973
O Homem de Fevereiro ou Março, antologia, 1973
Feliz Ano Novo, contos, 1975
A Grande Arte, romance, 1983
Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos, romance, 1988
Agosto, romance, 1990
Romance Negro e Outras Histórias, contos, 1992
O Selvagem da Ópera, romance, 1994
O Buraco na Parede, contos, 1995
História de Amor, contos, 1997
A Confraria dos Espadas, contos, 1998
O Doente Moliére, romance, 2000
Pequenas Criaturas, contos, 2002
Ela e Outras Mulheres, contos, 2006
Axilas e Outras Histórias Indecorosas, contos, 2011

"Quando a dor é muito grande o sofrimento é silencioso.“



Gostou? Já leu algum livro do escritor? Me conta, vou adorar saber!!!



Beijos,


6 comentários:

  1. "Quando a dor é muito grande o sofrimento é silencioso." Que frase profunda! Acho que explica muito bem a depressão, inclusive.
    Eu já tinha ouvido falar do Rubem e achei muito legal sua iniciativa em falar deste escritor Brasileiro.
    Muito sucesso a você e ao seu blog! <3 Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Graças a Deus que nosso país possui escritores de prestígio. Estamos muito bem servidos!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Fê
    Acredita que ainda não li nenhum livro dele? Estão na minha lista há tempos...
    Adorei a homenagem, adoro esta coluna do blog
    E as frases? Lindas, lindas
    Adorei!!
    Bjks mil

    ResponderExcluir
  4. Nossa... que vergonha admitir que nunca li nada de um escritor tão consegrado quanto o Rubem... =s Mas como nunca é tarde, custa nada olhar pela bibliografia que você listou e começar agora, né? =)
    Bjks!

    Mundinho da Hanna

    ResponderExcluir
  5. Amei o post e principalmente seu blog. Essa coluna é muito maravilhosa e importante nos blogs dos dias de hoje. Seguindo <3

    BLOG: https://obaucultural.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Tenho três livros dele e os leio vez ou outra. É uma narrativa cheia. Gosto do estilo dele, mas não é o tipo de livro que começo a ler e sinto necessidade de ler página a página. E eu gosto desse tipo de leitura, ler porque é sabado-domingo. Ler apenas porque quer deixar o espaço das coisas comuns e mergulhar na realidade impressa por outro. Gosto imenso.

    bacio e boa semana

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo