30 julho 2017

[Resenha] A Cor Púrpura


A COR PÚRPURA
Autora: Alice Walker
Editora: Círculo do Livro
Ano: 1982
Páginas: 258
Skoob


SinopseA comovente história da adolescente negra começa em uma pequena cidade na Geórgia (EUA) em 1909. Celie, uma jovem com apenas 14 anos é violentada pelo pai e se torna mãe de duas crianças. Além de perder a capacidade de engravidar, Celie imediatamente é separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã. Ela é doada por seu pai a "Sinhô", que a trata mais como escrava do que como esposa. Grande parte da brutalidade com que Sinhô a trata provêm por alimentar uma forte paixão por Docí Avery, uma sensual cantora de blues, que foi sua amante e tem grande influência na vida de Celie. Celie fica muito solitária e compartilha sua tristeza em cartas (a única forma de manter a sanidade em um mundo onde poucos a ouvem), primeiramente com Deus e depois com a irmã Nettie, que se tornou missionária na África. Conforme a trama se desenvolve, Celie revela seu espírito brilhante, ganhando consciência do seu valor e das possibilidades que o mundo lhe oferece.

Olá!!

Hoje trago mais uma resenha pelo Desafio Cultura e o tema de hoje é um livro que tenha sido ganhador do Prêmio Pulitzer.

A Cor Púrpura é um dos melhores livros que já li. As cartas enviadas para Deus por Celie são de uma sensibilidade e uma grandeza sem igual. Celie jamais teve seus desejos e opiniões levados em conta e nesse livro acompanhamos sua jornada e seu amadurecimento.

Celie é uma negra, semianalfabeta que mora no Sul dos Estados Unidos, em um período que vai desde 1900 até 1940. O livro é narrado em forma de cartas, onde Celie conta sua vida para Deus e depois para sua irmã, Nettie. 



Abusada pelo pai, ela se sente a pior das criaturas, sem valor e desprezada pelas pessoas. Para piorar sua situação ela é forçada a se casar com Albert, um viúvo violento, que só a maltrata e a trata como uma serviçal. Na narrativa, Celie sempre se refere ao marido como "sinhô", demonstrando uma relação de total opressão.


"Querido Deus, Ele me bateu hoje porque disse queu pisquei prum rapaz na igreja. Eu pudia tá com uma coisa no olho, mas eu num pisquei. Eu num olho pros homem. Essa é que é a verdade. Eu olho pras mulher, sim, porque num tenho medo delas. Talvez porque minha mãe me botou maldição o senhor acha queu fiquei com raiva dela. Mas não. Eu sentia pena da mamãe."


Na primeira parte do livro, as cartas contam desde a infância de Celie até a vida adulta. Os maus-tratos e abusos sofridos pelo pai e depois de casada por seu marido, violento e autoritário. É bastante claro o quanto Celie se sente inferior, uma pessoa sem valor algum até para si mesma. Mas com a chegada de Shug Avery, uma cantora extravagante, que tem um caso com seu marido, as coisas começam a mudar.

Celie possui uma fascinação por Shug, que é independente e não aceita os padrões pré determinados à mulher na época. Por outro lado, Shug admira a força de Celie. As duas se aproximam e começam uma amizade bastante bonita, que ajuda Celie a se descobrir como pessoa e mulher.


“Tudo no mundo quer ser amado. A gente canta e dança e grita porque quer ser amada. Olhe as árvores. Elas fazem tudo que a gente faz para chamar a atenção, menos andar.”


A linguagem do livro é bastante simples para evidenciar a realidade de Celie que era pouco instruída, com isso apresenta erros de ortografia e concordância. Talvez isso possa incomodar alguns leitores, mas para mim foi um fato que me aproximou mais ainda da personagem, parecia que Celie falava diretamente para mim.



Por trás da história de Celie, temos toda a situação do negro na época, marginalizado e sofrendo todo tipo de preconceito que se possa imaginar, resquícios da escravidão. E também a condição da mulher na sociedade, a violência doméstica e sexual. Aqui o ponto forte e principal foco da trama.

A respeito do título, a cor púrpura surge em diversos momentos durante a história, e é uma alegoria ao processo de autoconhecimento e amadurecimento pelo qual passa a personagem. 

"Eu acho que Deus deve ficar fora de si se você passa pela cor púrpura num campo qualquer e nem repara."

Uma história forte sobre racismo e violência contra as mulheres e apesar de ser um livro antigo, infelizmente é bastante atual, pois são questões muito presentes em nossa vida nos dias de hoje e gritam por respostas urgentes.

A leitura, apesar de bastante rápida, é muito profunda e reflexiva, dificilmente um leitor sairá o mesmo após  ler A Cor Púrpura.

O livro foi publicado originalmente em 1982, pela autora Alice Walker. Em 1983 o livro recebeu o Prêmio Pulitzer e em 1985 foi adaptado para o cinema com direção de Steven Spielberg.


Espero que tenham gostado e para quem ainda não leu ou mesmo assistiu A Cor Púrpura incluam em suas agendas, vale muito a pena!


17 comentários:

  1. Oiii Fê tudo bem?
    Com toda certeza eu adoraria realizar a leitura desse livro menina, parece conter uma história bastante forte, envolvente e a realidade de que um dia uma garota negra sofreu, dica anotada e seu blog é lindo.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morgs, é uma leitura forte e muito emocionante, vale cada página. Se puder, leia.

      Excluir
  2. Oi,
    Há muito não vejo esse livro por ai.
    Lembro de ter me interessado pela leitura, mas acabai deixando de lado.
    Gostei bastante da resenha.

    Beijos

    PS: Sempre que vejo esse título penso em Todo mundo odeia o Chris kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!!
      Que interessante lembrar da série do Chris kkkkkkk
      Obrigada!

      Excluir
  3. Olá, tive a oportunidade de ver o filme e se o enredo já nos marca profundamente na tela, imagino que no livro, lendo as cartas a gente se sinta ainda mais comovido com a história da personagem. Adorei você ter trazido essa resenha para nós. Amei!!! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gleyse o filme é de emocionar e o livro mais ainda!! obrigada!

      Excluir
  4. Eu não cheguei a ler o livro, mas vi o filme, e lembro o quanto me emocionei com ele, e tenho certeza que a leitura será ainda mais emocionante e agonizante também. Só de imaginar as barbaridades que ela sofre, dá vontade de chorar.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Esse livo está na minha lista ara ser lido, mas nunca que consigo pega-lo, mas toda vez que leio alguma resenha sinto uma vontade louca de compra-lo logo e ler essa história que seria bem diferente para mim, uma história forte. Gostei da sua resenha e espero poder conferir essa história em breve.

    Beijos!
    http://blogdatahis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tahis, leia sim. Vale muito a pena e depois assista ao filme. bjs

      Excluir
  6. Olá, tudo bem?
    Eu tenho muita vontade de ler esse livro, considerado um clássico da literatura mundial. Infelizmente, as temáticas que ele aborda ainda são atuais, o que me faz acreditar que a leitura seja ainda mais dolorosa.
    Eu ainda não sei quando lerei, pois é uma temática muito forte e quero estar em um momento melhor para ler. No entanto, sua resenha me deixou ainda mais ansiosa para realizar esta leitura e tenho certeza que vou gostar tanto quanto você.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria.
      Infelizmente a temática continua muito atual e isso faz o coração doer mais ainda.
      Quando sentir que chegou a hora, leia sim. bjs

      Excluir
  7. Oi, tudo bom?
    Embora o livro já tenha bastante anos, eu ainda não conhecia, mas me interessei muito, gosto desse tipo de narrativa e parece ser muito interessante essa.
    Parabéns pelo post, e obrigada pela dica.
    Beijos, Joyce de Freitas.

    ResponderExcluir
  8. esse livro é maravilhoso. li há muitos anos e ano passado tive o prazer de revisitar suas páginas...história tocante, triste e de deixar a gente com um nó na garganta...
    bjs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria falou tudo! O nó que deixa na garganta é enorme mesmo :(

      Excluir
  9. Olá,
    Tenho uma amiga que já me indicou várias vezes esse livro, mas ainda não consegui fazer a leitura.
    A premissa com certeza é bem forte e me sensibilizará. Celie precisa ser forte para aguentar tudo o que lhe fazem e fiquei intrigada com a forma como a obra nos é apresentada através de suas cartas.
    Sou meio paranoica com erros, então não sei se ficaria incomodada ou teria essa sensação de maior proximidade com a personagem.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  10. Oie
    nossa, estou justamente com esse livro para ler e estava precisando muito de alguma opinião e de uma resenha para saber mais, adorei a sua e com certeza vou ler mais empolgada

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá!!! Esse livro tem uma história muito bonita. Eu vi a versão para o cinema há alguns anos, vale super a pena conhecer e compartilhar a indicação, bjooo

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo