05 agosto 2018

[Resenha] Até Você Ser Minha

ATÉ VOCÊ SER MINHA

Autora: Samantha Hayes | Ano: 2015 | Páginas: 336
Editora: Intrínseca | Adicione ao Skoob



Olá pessoal! É um prazer poder escrever novamente para o Conduta Literária; e hoje, com um gênero bastante instigador. 


Trata-se de uma forte história de suspense, com uma certa pitada de terror; envolvente e surpreendente.

Em Até Você Ser Minha, a escritora Samantha Hayes costurou uma trama, de tal forma, que somos levados a suspeitar de várias situações e pessoas, quase até o final. O óbvio passou longe.

Logo de início nos deparamos com um depoimento, que relata o drama de uma mulher com grandes dificuldades em sustentar uma gestação até o fim, bem como seu incomensurável desejo de ser mãe, opondo-se à sua incapacidade para isso.

A personagem principal é Cláudia Morgan-Brown, uma assistente social que lida diariamente com diversos dramas familiares: crianças maltratadas pelos pais, famílias em crises afetivas, filhos órfãos, mães drogadas, e outras tantas situações que colocam crianças e bebês em vulnerabilidade.

Cláudia é muito dedicada ao seu ofício, e trata com toda a seriedade necessária suas avaliações sobre cada caso estudado. Infelizmente, muitas das vezes, se vê obrigada a destituir o vínculo materno, ou paterno, em prol do bem-estar dessas crianças. Mas nem por isso ela se tornou uma mulher amarga ou insensível, pelo contrário, pois está grávida e já cuida de seus enteados gêmeos.

Foi por via de seu trabalho que conheceu James, um oficial da marinha, que em virtude do falecimento da esposa recebeu a visita e o acompanhamento profissional de Cláudia. Tudo aconteceu muito espontaneamente com o casal, que após algum tempo de convivência, decidiram se unir. Para Cláudia era um sonho se realizando, já que vinha de um primeiro casamento frustrado pelas inúmeras vezes que sofreu aborto ou fora obrigada a testemunhas o nascimento de uma criança morta.



Nesta segunda chance, que a vida lhe dava, Cláudia poderia exercitar um certo instinto materno, por James lhe permitir total liberdade sobre a educação dos pequenos gêmeos, que tão cedo perderam a mãe. Mas ela queria mais; e com total concordância e incentivo de seu marido engravidou mais uma vez.

O trabalho de James o obriga a se ausentar por longos períodos da família, o que de certa forma entristece um pouco à Cláudia. Mas ela não reclama, e tenta fazer todo o possível para levar sua gravidez até o final. O que a assusta é a forte possibilidade de estar só no momento do parto, pois James tem uma missão agendada para bem próximo da data.

Com isso eles decidem contratar uma babá, que auxiliará com os gêmeos e também com a casa, nesse período tão sensível. Surge uma candidata aparentemente, excepcional para a vaga: boa formação, experiência e recomendações sólidas. Ela é contratada.

Zoe, a babá, se mostra acima de qualquer suspeita, mas alguns fatos estranhos passam a ocorrerem ao seu redor. Suas justificativas, muitas vezes, até fazem sentido, mas Cláudia, sempre muito zelosa, passa a desconfiar que há algo errado e oculto em Zoe.

Junto à essas preocupações, passam a acontecer uma série de crimes, um tanto macabros com mulheres grávidas daquela região. Elas sofrem cesarianas forçadas, resultando em mortes. Um casal de detetives tenta desvendar esses crimes, ao mesmo tempo que lidam com seus problemas conjugais e familiares, o que dramatiza mais ainda a história.



É uma trama fervilhante! Não há como negar. Com mentes perigosas e insanas, uma investigação bem difícil de se realizar, dramas familiares e aspirações sentimentais, é uma história para mexer com a gente.

Seu final é inusitado, mas nada fora de possibilidades reais. Samantha Hayes se mostra hábil na arte de prender a atenção do leitor e fazer nossas ideias oscilarem como numa roda gigante. Ora achamos que um determinado personagem é o vilão, ora outro, e isso vai se alternando durante quase toda a narração.

Temos a experiência de testemunhar a narrativa por diferentes pontos de vista, já que cada personagem conta sua parte da trama, sob sua ótica, caráter ou necessidade.

Este é um livro para não deixar de ler. Coloquem em suas listas e mergulhem na história.




7 comentários:

  1. Oi Junior!
    Adorei sua resenha e apesar de super medrosa, fiquei morrendo de vontade de ler este livro.
    Ainda mais que a protagonista é minha xará...rs
    Ja vai pra lista.
    Adorei as fotos também
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. a historia toda parece ser bem instigante confesso que nao leio muito livros nesse genero por falta de oportunidade mais com certeza iria gostar de ler esse

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Nossa adorei a resenha realmente parece ser um livro um tanto intrigante e cheio de suspense que deve prender a leitura até o final,bjs <3

    ResponderExcluir
  4. Muito bem. Adorei a publicação. Boas sugestões de leitura:))

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda- Feira

    ResponderExcluir
  5. Nossaaaa, meu deu até vontade de ele! Gosto desse tipo de gênero, acho que instiga a leitura. Quanto mais a gente lê, não da vontade de parar.

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha! Parabéns...Já foi para minha lista...
    Abraços
    Ale Helga

    ResponderExcluir
  7. Ei!
    Adorei a resenha e amo seu blog.
    Quando puder e desejar passa nesse meu endereço
    além do Espelhando
    http://reflexoemcoisasdemulher.blogspot.com/
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo