06 julho 2018

Um pouco de... Gonçalves Dias



Canção do Exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.


Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.


Sem dúvida, a Canção do Exílio é um dos poemas mais emblemáticos do escritor. Publicado em 1857, nesse poema Gonçalves Dias expressou a solidão e a saudade que sentia da sua terra quando esteve em Portugal.





Gonçalves Dias (Antônio Gonçalves Dias), poeta, professor, crítico de história, etnólogo, nasceu em Caxias, MA, em 10 de agosto de 1823, e faleceu em naufrágio, no Maixio dos Atins, MA, em 3 de novembro de 1864.
Um grande expoente do romantismo brasileiro e da tradição literária conhecida como "indianismo"





5 comentários:

  1. Muito bom. Parabéns pela escolha.
    :))


    Bjos
    Votos de uma óptima Sexta - Feira.

    ResponderExcluir
  2. Linda escolha! O autor com certeza retrata o amor pela sua terra da forma mais singela! É nítida essa percepção em suas palavras!

    ResponderExcluir
  3. Que linda escolha, Fê!
    Conheço muito pouco da obra de Gonçalves Dias, mas acho este poema lindo
    Não sabia que ele tinha falecido num naufrágio...achei interessante estes dados
    Bjks mil

    ResponderExcluir
  4. Gostava imenso de Gonçalves Dias, me lembro que quando comecei a estudar a literatura brasileira, acabei em uma discussão boba em que diziam que esse poema era de outro poeta (não me lembro a quem entregaram a autoria) e eu fiquei a teimar que era de Gonçalves Dias. E quando o professor entrou em sala de aula teve um ataque de risos com a confusão e não conseguia dar aula. Olhava para a cara dos alunos, repetia o nome do poeta e ria. rs

    Belo poema! Um dos mais bonitos da literatura brasileira.
    bacio

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo