11 julho 2018

[Resenha] A Guerra que me Ensinou a Viver

A GUERRA QUE ME ENSINOU A VIVER

Autora: Kimberly B. Bradley | Ano: 2018 | Páginas: 280
Editora: DarkSide Books | Adicione ao Skoob



Quem leu o primeiro livro (resenha aqui), com certeza, se sentiu tocado pela história dos irmãos Ada e Jamie. As crianças haviam sido evacuadas para Londres, durante a Segunda Guerra Mundial. E nesse cenário, tão controverso, elas encontraram o amor materno, que nunca tiveram, ao lado de uma mulher sozinha e depressiva.

O segundo livro inicia-se logo após a cirurgia do pé torto de Ada e ela ainda se encontra no hospital, em recuperação. Isso muda em muito sua vida, pois apesar dessa vitória, muitas feridas ainda estão abertas e o maior desafio da menina, agora, é aprender a confiar em si mesma e no próximo.

"Eu estava apoiada nos dois pés, sem muletas, usando dois sapatos. Conseguia ler, conseguia cantar. Tinha ido até a igreja já caminhando, mesmo sendo uma pedação. Precisava me lembrar disso. Tentei me forçar a me sentir feliz, mas por sob a felicidade eu estava espinhosa, como se toda a pele do meu corpo estivesse esticada demais. Eu podia não ser uma aleijada, mas ainda não sabia quem eu era."

Susan agora é guardiã legal de Ada e Jamie e, junto com as crianças, está de mudança para um chalé cedido por Lady Thorton. A guerra continua a ser pano de fundo para a história e vamos acompanhar não somente, os terrores daqueles que estão lutando no front, mas também, das famílias que ficam para trás, tentando levar a vida em meio aos medos e privações.



Nesse segundo livro, também teremos uma visão maior de outros personagens, como Meg e sua família, que agora, com as imposições da guerra, têm suas vidas totalmente modificadas e com isso Lady Thorton acaba indo viver no chalé junto com Ada, Susan e Jamie. Um grande desafio de convivência com o próximo.

"E nem quero viver no meio de um campo de batalha. Já é ruim demais estarmos passando por uma guerra fora de casa. A gente não precisa de outra guerra aqui dentro."

Enquanto isso, Ada tenta encarar sua nova realidade diante de diversas situações e é dessa forma que vemos o quanto, as marcas deixadas por tantos anos de maus tratos feitos pela mãe, ainda a afetam. É como se a menina tivesse criado muros de defesa em volta de si, demonstrando o quanto ela ainda sente medo e ainda sente que não é merecedora de afeto.


Podemos dizer que é como se Ada travasse batalhas dentro si, com um turbilhão de sentimentos, e essa luta constante faz com que ela exteriorize tudo em forma de birras e teimosias, é muito difícil para ela dar aquele voto de confiança às pessoas. Mas, mesmo assim, com tantas dificuldades, eu me encantei várias vezes durante a leitura, por uma menina tão nova e tão sofrida, dar demonstrações de uma coragem sem igual.

"Eu não diria a Susan que a amava, mesmo achando que fosse verdade. As palavras podiam ser tão perigosas e destruidoras quanto bombas."

Outro ponto que quero destacar é o amor de Ada pelos cavalos e o quanto isso a ajudou a superar seus medos e a também, a ajudar outras pessoas, como Ruth, uma judia alemã, que chega ao chalé e causa desconfiança e comoção ao mesmo tempo.



Mais uma vez fiquei encantada pela escrita da autora, que levou toda a história com uma sensibilidade incrível. O olhar da Guerra pelos olhos de uma criança mexe profundamente com nossos sentimentos. Eu me senti tão pequena e com o coração tão apertado durante a leitura.

Encerro dizendo o quanto amei os dois livros e que todos deveriam ler. Uma história maravilhosa, tocante,  profunda e que leva a várias reflexões importantes. 

Não sei se haverá outro encontro com Ada, mas me despeço dessa personagem que tanto me ensinou, já com saudades!


9 comentários:

  1. Muito, muito bom :)) Adorei de verdade:))

    Poema do Gil António, que, foi gozar as suas merecidas férias e, " me deixou de serviço" kkkk :) Esperamos que entendam. Obrigada.

    Cartas escritas em letras esquecidas

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta- Feira.

    ResponderExcluir

  2. A Guerra pelo olhar de um adulto já é extremamente comovente, imagina por de uma criança.
    Se já me emocionei com a sua resenha, imagina com o livro?
    Mais um que vai pra minha lista por indicação sua.
    Parabéns por esse post tão carregado de sentimentos 👏👏👏

    ResponderExcluir
  3. Oii Fernanda
    Eu realmente quero ler essa duologia e sua resenha me motivou ainda mais a isto. Sou apaixonada por livros que tenham como foco períodos históricos marcantes, mas principalmente que apresentem novas perspectivas. O livro da Ada demonstra grande propensão a isso já que fala sobre viver em uma época que sobreviviam... Ah... Acho que divaguei kkkk
    Enfim...
    Eu amei sua resenha.
    Beijos.

    Blog: fanficcao.wordpress.com

    ResponderExcluir
  4. Esse é um daqueles livros que eu sinto vontade de entrar dentro, abraçar os personagens e viver junto com eles. Amo esses dois livros; foi uma história que me emocionou e ensinou muito *-* ver o quanto ela evoluiu nesse segundo livro foi mágico!

    Adorei a resenha. As quotes que você colocou me deixaram com vontade reler os dois livros <3

    ResponderExcluir
  5. Oi Fê
    Eu AMO livros sobre guerras e adoro as edições da Dark!
    Este está na minha lista, mas preciso ler antes o primeiro
    Adorei o post e as fotos
    Bjks mil

    ResponderExcluir
  6. Olá, Fernanda! Eu evitava um pouco histórias ambientadas na segunda guerra mundial, porque elas mexiam comigo de uma forma muito profunda e eu demorava para me recuperar. De uns tempos para cá superei isso (graças aos céus) e me vejo cada vez mais fascinada por essas histórias e tudo o que elas representam. Agora, sempre que vejo uma história com essa época como plano de fundo, meus olhos brilham. Já estou de olho nessa história desde que lançou o primeiro livro, sinto que ela tem muito a ensinar, e com a sua resenha isso só se comprova. Preciso! <3 Amei o post, beijos.

    http://www.abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Fê!
    Eu estou sonhando com esse livro desde que lançou! Li o primeiro um pouco antes de saber que haveria continuação e, que leitura foi aquela? Não só a escrita da autora cativa como todo o pano de fundo que ela traz e o drama de cada personagem!
    Amei saber mais um pouco sobre o que tem na história do volume II e imagino que será mais uma história para aquecer o coração! A DarkSide arrasa nessas edições maravilhosas, ainda por cima! <3
    xoxo

    ResponderExcluir
  8. Ei! Tudo bem?

    Sou louca para ler o primeiro livro, mas não tenho o mesmo interesse pelo segundo, e eu não sei o motivo rsrs De qualquer modo, eu amei a sua resenha! Todos os pontos que você mostrou me deixou mais contagiada para embarcar nessa leitura que tem muito o que nos ensinar.

    Beijos!
    http://www.365coresdouniverso.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem ?

    Ainda não li a duologia, mas já acompanhei as resenhas e ponto de vista sobre o livro inicial e todos só mostram o quanto a obra está maravilhosa. Foi uma grata surpresa encontrar essa resenha e ela reforçar igualmente o quão boa a obra é e mostrar um ponto de vista que encanta e chama bem a atenção dos leitores para a obra.

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo