05 julho 2017

[Resenha] A Insustentável Leveza do Ser


A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER
Autor: Milan Kundera
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2017
Páginas: 344
Skoob

Sinopse: Neste que é sem dúvida um dos romances mais importantes do século XX, ficção e filosofia se entrelaçam por meio da história de quatro adultos capazes de quase tudo para vivenciar o erotismo que desejam para si. Como limite, encontram um tempo histórico politicamente opressivo e o caráter enigmático da existência humana. Infidelidade, amor, compaixão, eterno retorno, acaso e arbítrio são alguns dos grandes temas que Kundera articula num romance de ideias e paixões, em que o leitor percorre conceitos filosóficos de braços dados com cada um dos personagens — Tereza, Tomas, Sabina e Franz — e acompanha suas histórias de vida com a profundidade de um estudo. O resultado é uma obra em tudo original, um clássico da literatura contemporânea."




Sob o jugo do comunismo, após a invasão à Tchecoslováquia liderada pela União Soviética, o romance transcorre numa atmosfera política de conturbação e incertezas, em consonância com os sentimentos dos personagens, que expõem seus maiores conflitos, tão comuns a todos nós.

O cenário oscila entre Praga e Zurique, numa ebulição de sentimentos; com um improvável amor que perturba a ordem comportamental já estabelecida no casal.




Tomas é um médico em carreira ascendente que baseia sua vida em princípios de total liberdade, fundamentados por suas próprias convenções. O retrato de sua “filosofia” se traduz no comportamento rotineiro, ou até mesmo compulsivo, que pratica; com envolvimentos amorosos superficiais e fugazes, sempre pautados apenas no sexo.

Tomas acredita que dessa forma terá sempre a garantia de uma vida livre, numa teoria de “leveza”. E, por suas próprias palavras, deve-se apenas “tirar a casca dessas mulheres, descobri-las”, pois aí moram o prazer e a felicidade verdadeira.

Tereza é uma moça muito simples, oriunda de um lar medonho com uma mãe depreciadora de suas qualidades. Essa aura suja e miserável, que a rodeou por longo tempo, transforma Tereza em uma mulher sensível, que valora as coisas do espírito e enxerga o que é carnal como sujo e repulsivo, talvez como modo de defesa contra aquilo que, em sua formação, sempre a enojou.




Dois universos tão distintos, que numa casualidade, se encontram em um reles bar onde Tereza tem de trabalhar. Lá, vítima de toda a ignorância de um público masculino nada cavalheiro, a presença de Tomas chama a atenção da garota, que ao vê-lo numa mesa, acompanhado de um livro, idealiza nele a antítese de todos os ambientes a que fora, até então, obrigada a viver e frequentar: um homem que lê deveria trazer em sua alma sentimentos nobres e sublimes, capazes de lhe inserir em um mundo ideal.

Tomas, após breve conversa com Tereza, lhe entrega escrito num papel seu endereço, sem verdadeiramente esperar que ela fosse visitá-lo. No entanto, muito em breve Tomas pôde ficar frente a frente com a moça em sua casa, que numa certeza absoluta de que aquele seria o amor de sua vida, fez suas malas no intuito de já ficar em companhia do rapaz.

Um sentimento arrebatador tomou conta do casal, e controverteu a própria “filosofia” de Tomas. Um desejo súbito de estar com Tereza confundiu seus pensamentos e passa a colocar em dúvida seus preceitos de felicidade; obrigando novas reflexões sobre a vida.




A partir de então, Kundera passa a nos inserir em uma série de posicionamentos dicotômicos, numa viagem em nos mesmos, sobre conflitos que alcançam qualquer um em nossa necessidade de socialização e amor.

O autor tem a capacidade de nos transportar completamente para a história de Tomas e Tereza, nos fazendo sentir as dúvidas e o sofrimento que elas nos trazem. Numa sensação de urgência, coloca a fragilidade das relações diante da impossibilidade de se esboçar a vida, mediante as decisões tomadas; e fazer diferente após a experiência pretérita.

Seu texto é apaixonante e sua percepção aguçada do nosso cotidiano emocional surpreende, identificando, de maneira muito acertada, o paradoxo de nossas aspirações sentimentais.
Acredito que cada pessoa que leia essa obra a perceberá diferente, e não necessariamente mudará sua concepção de conduta para a vida, mas certamente desnudará um outro panorama não notado, ou até mesmo ignorado, para trazer o contraditório à luz, propiciando uma discussão mais ampla e indispensável sobre o amor.


3 comentários:

  1. Oiii tudo bem?
    Essa realmente deve ser uma leitura incrível e fascinante de ser feita, a obra em si despertou muito meu interesse, por ser um dos gêneros que mais aprecio e se encontra em grande volume na minha estante, achei linda a capa e leria com toda certeza.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi Júnior, eu não conhecia o livro e estava ficando interessada, até ler que do nada ela muda de mala e cuia para casa do rapaz. Como assim??? Acabei ficando com um pé atrás, mas não vou descartar a leitura.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Eu já ouvi diversos elogios a este livro, mas nunca tive a oportunidade de ler e confesso que não sabia muito sobre a trama. Eu achei a premissa muito interessante e fiquei curiosa para ler.
    No entanto, me pareceu uma leitura mais intensa, que requer uma dedicação maior para ser apreciada completamente. Ultimamente tenha andando muito sem tempo e busco leituras mais leves e, por isso, este é um livro que eu não leria agora. No entanto, vou deixar a dica anotada para quando eu tiver com tempo livre e puder aproveitar as reflexões que o livro nos traz.
    Adorei sua resenha e já anotei a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Não saia sem deixar um recadinho pra nós!

© Conduta Literária ♥ 2017 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo